Publicações

Sistema de Pagamento Instantâneo deve ser lançado em 2020

Seguindo a crescente tendência do mercado de meios de pagamento e demais avanços em produtos de sistema bancário, o Banco Central vem atuando no desenvolvimento de um novo sistema de pagamentos, cuja conectividade começa a ser testada neste mês, com previsão de implementação ainda neste ano.

O novo sistema de pagamentos permitirá a realização de transferências e pagamentos de forma instantânea, para qualquer tipo de conta corrente, a qualquer hora e em qualquer dia da semana.

Atualmente o sistema brasileiro conta apenas com o tradicional processamento de pagamento por boletos, além da TED e do DOC para transferência de valores. Porém, esses sistemas não são totalmente instantâneos e/ou não funcionam em regime de 24×7. Além disso, numa operação com cartão de débito, o crédito não é gerado na conta do credor no mesmo momento da operação.

O novo sistema, promete resolver esses problemas, creditando o valor pago instantaneamente na conta do recebedor, além de também permitir a transferência de valores em qualquer dia da semana, independente da modalidade da operação e do tipo de contas envolvidas na transação.

De acordo com o Banco Central, após o lançamento do novo sistema os bancos tradicionais de varejo e as instituições de pagamento, como fintechs, serão obrigados a oferecer esse serviço instantâneo aos clientes.

Com mais dinamismo e um sistema aberto a qualquer instituição, o Banco Central pretende incentivar a competitividade e, consequentemente, reduzir os custos que, atualmente, são maiores do que no sistema de pagamentos instantâneos.

Enquanto as mudanças não chegam, as carteiras digitais se movimentam para ganharem mercado.

As chamadas e-wallets já permitem pagamentos instantâneos entre seus usuários e em estabelecimentos credenciados às suas redes. No entanto, trata-se de sistemas fechados que, no geral, não se comunicam com os concorrentes como pretende fazer o sistema do Banco Central.

Uma das características mais interessantes desse modelo é não precisar nem mesmo possuir uma conta bancária tradicional para utilizar as carteiras. É possível depositar dinheiro em cada uma delas por meio de boletos e, assim, fazer as demais transações normalmente dentro da rede credenciada. Para aumentar sua inserção, porém, essas fintechs têm buscado parcerias com lojistas para uso das máquinas de cartões.

Embora apoiem a iniciativa do Banco Central, as principais empresas de meios de pagamento consideram o novo sistema completo e não sabem como o consumidor reagirá, razão pela qual preferem seguir investindo em seus sistemas fechados que já caíram no gosto do público mais moderno.




Compartilhar